Quem tem boca...

Sobre comer em Brasília, a maior parte do tempo...

0 notas &

Pobreza, aqui me tens

Se alguem me perguntasse porque não estou postando, a resposta seria simples, porque não estou comendo fora. Realmente o meu cinto apertou e tenho pensando 3 vezes antes de gastar R$ 40 reais, que é  o preço de muita coisa de comida nessa cidade, infelizmente.

E é impressionante porque desde que começaram minhas restrições alimentares de modo mais perene, eu comecei a viver a versão candanga do filme Super Size Me, ou a versão adulta do Muito além do peso. Junk food é mais barato.

Foi assim que conheci o QG: Jeitinho Caseiro que me apresentaram como uma versão mais barata do Giraffas, mas acho que era uma pastelaria que virou lanchonete e serve uns pfs.

Por 15 reais eu comi um hamburguer de picanha com um refrigerante (300ml) e uma porção de minipasteis, que podem ser substituidos por batata frita.

Olha, o pastel é bom, não gostei do hamburguer. Na minha infância hamburguer caseiro era misturado com farinha de rosca pra render mais, sabe? Então, eles misturam trigo no hamburguer, aí fica com gosto de kibe. O meu paladar não se adaptou, apesar de eu ter gostado do preço e do tamanho.

Da próxima vez vou pedir alguma coisa de frango, ou um pão com bife e ver como é.

QG: Jeitinho Caseiro, Águas Claras Shopping, Águas Claras

Arquivada em hamburguer QG Jeitinho Caseiro QG águas claras lanches